Perfeccionismo x busca por resultados: uma combinação que pode ser fatal

Quem nunca ouviu um candidato responder que o seu defeito é ser perfeccionista? Essa característica, extremamente superestimada, já foi valorizada no passado, vista como um “defeito positivo”, afinal, quem não quer ter um funcionário que busca, incessantemente, atingir a perfeição em uma tarefa ou objetivo? 

Entretanto, com o aumento de demandas, a tendência de trabalhar com processos ágeis e eficientes fez com que o perfeccionismo se tornasse um peso no desenvolvimento interpessoal e profissional. O colaborador, ao buscar o alto nível, a excelência em suas entregas, muitas vezes, não consegue finalizar as demandas a tempo, com medo de não estarem à altura do que ele espera. E o  resultado disso para ele é frustração

Outro problema que normalmente é relacionado aos perfeccionistas é a procrastinação e ansiedade. Procrastinação, pois, com medo de não conseguir entregar o melhor trabalho, o funcionário adia a execução da tarefa, entretanto, conforme a data da entrega vai chegando, a ansiedade surge, pois ele terá menos tempo para executar o que lhe foi pedido. 

Como o perfeccionismo pode afetar o seu desenvolvimento interpessoal?

O funcionário perfeccionista não consegue perceber a existência de uma linha tênue entre ser detalhista buscando o melhor em cada item e se dedicar a entregar o seu melhor. Embora sejam semelhantes, a dedicação envolve limites saudáveis que, quando não respeitados, podem tornar-se uma das causas de transtornos mentais no trabalho

Ao sempre enxergar suas entregas como insuficientes, o perfeccionista não celebra suas realizações, além de prejudicar sua rotina, podendo paralisar a tomada de decisões e o andamento de projetos, prejudicando a sua produtividade e a do resto do time. Ao levar uma rotina de trabalho tão estressante como essa, esse colaborador pode acabar desenvolvendo crises de ansiedade, burnout e depressão.

Como ajudar um funcionário a ser menos perfeccionista?

Assim como a timidez, o perfeccionismo é um traço de personalidade, que faz parte do conjunto de características daquela pessoa. E, na sociedade atual, incentivada pelas redes sociais, a perfeição é vista como algo que precisa ser buscado, independentemente do esforço que ela exija. 

As gerações atuais são as que mais sofrem com essa busca pelo inalcançável, por isso, incentivar os gestores a dividirem o projeto em entregas menores para garantirem que o colaborador não procrastine, tenha um melhor acompanhamento da demanda e garantia da entrega. Além disso, incentivar o diálogo, criar programas de mentoria, puxar conversas sobre desenvolvimento dos projetos são bons exemplos de como identificar comportamentos prejudiciais. 

Se o perfeccionismo for algo que atrapalha, de fato, a rotina do colaborador, oferecer ajuda profissional é fundamental para desenvolvê-lo. A terapia online é uma das principais ferramentas para auxiliar a pessoa a quebrar padrões de comportamento, como o perfeccionismo, melhorando sua relação com as entregas. O apoio de um psicólogo pode ajudar com que o funcionário seja menos crítico, abraçando suas imperfeições, aprendendo que, em vez de fazer algo buscando a perfeição,  o bom pode ser suficiente.  

Gostou do artigo, compartilhe com a rede!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Você também pode gostar

ORIENTEME NA SUA EMPRESA!

Deseja mapear a saúde emocional da sua empresa, oferecer atendimento psicológico aos colaboradores e acompanhar a evolução da saúde emocional das equipes? Solicite um orçamento no botão abaixo e entraremos em contato o quanto antes.

Deseja solicitar um orçamento para sua empresa?

ORIENTEME PARA VOCÊ!

Deseja falar com seu psicólogo por mensagens e videochamadas, quando e onde quiser?

Conheça mais os nossos planos!

INDIQUE A ORIENTEME PARA SUA EMPRESA!