Medo

Medo. Uma sensação que todo ser humano já vivenciou em algum momento. Seja de coisas reais ou de projeções mentais, ninguém pode negar que o medo existe. Mas por quê?

Durante nossas vidas, passamos por situações que demandam atenção e cuidado, pois nos expõem a riscos. Riscos de nos ferirmos, de perdermos algo, de ferirmos os outros. Se não tivéssemos medo, provavelmente morreríamos muito mais cedo, pois o medo está diretamente relacionado com nosso instinto de sobrevivência.

No entanto, existem situações onde ele ocorre sem razão ou com uma intensidade maior do que necessária. É o caso de pessoas que têm fobias. Fobias são medos exacerbados de coisas específicas, que na maioria das vezes não se justificam em tamanha intensidade. Alguns exemplos incluem: andar de avião, dirigir, insetos, locais desconhecidos, adoecimento ou falar em público.

O DSM V (manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais feito pela Associação Americana de Psiquiatria) classifica as fobias em 3 tipos:

1. Específicas – medo de um objeto ou situação em especial;

2. Sociais – medo de ser envergonhado ou avaliado negativamente em público; e

3. Agorafobia – medo de espaços abertos ou lugares de onde seja difícil escapar.

O CID 10 (classificação internacional de doenças) inclui, além dos 3 tipos citados, o transtorno do pânico, que se caracteriza como ataques recorrentes de ansiedade grave, sem uma situação específica associada.

Como identificar a fobia?

Independentemente do nome ou classificação, a fobia paralisa e faz com que muitas situações se tornem difíceis. Ela se apresenta através de sintomas físicos, como um estado de alta vigilância, tremores, suores, taquicardia, respiração curta ou sensação de desmaio. O corpo reage como se estivesse correndo perigo real.

Na Síndrome do Pânico, por exemplo, o medo de morrer, enlouquecer ou adoecer é tão grande que a pessoa passa a não conseguir mais sair de casa, ou mesmo ficar em um cômodo de sua residência sozinha. As reações podem ser incontroláveis, mesmo sabendo racionalmente que é um medo desmedido. Nesses casos, o sofrimento é continuo, pois nunca se sabe quando virá a próxima crise que trará sensações parecidas. O corpo pode sofrer alterações físicas, como a descarga de hormônios, a sensação de desmaio ou perda de consciência, reafirmando, a cada crise, ainda mais o medo sentido como uma ameaça real.

O que fazer?

O medo geralmente ocorre sobre coisas que não controlamos. Algumas atividades e atitudes que podem ajudar são:

– Exercícios de respiração: visto que quando se sente medo a tendência é ter a respiração alterada. Assim, respirar profundamente e expirar pausadamente pode ajudar a diminuir a sensação de mal-estar.

– Se expor gradualmente ao que gera o medo: pode fazer com que se acostume ou enfrente a causa.

– Analisar seus pensamentos: mudar a forma de pensar pode reduzir a intensidade dessas sensações. Para tanto, é preciso se conhecer melhor e entender o motivo de sentir medo. Consultar um terapeuta pode ajudar neste processo.

Buscar ajuda especializada e discutir essas sensações com um profissional é um caminho para quem deseja lidar melhor com o medo. Na OrienteMe, é possível fazer terapia online todos os dias, por meio do smartphone ou computador, de forma anônima, sem ter que marcar horário. Conheça a plataforma e experimente o atendimento por três dias úteis antes de comprar um plano.

Gostou do artigo, compartilhe com a rede!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Você também pode gostar

ORIENTEME NA SUA EMPRESA!

Deseja mapear a saúde emocional da sua empresa, oferecer atendimento psicológico aos colaboradores e acompanhar a evolução da saúde emocional das equipes? Solicite um orçamento no botão abaixo e entraremos em contato o quanto antes.

Deseja solicitar um orçamento para sua empresa?

ORIENTEME PARA VOCÊ!

Deseja falar com seu psicólogo por mensagens e videochamadas, quando e onde quiser?

Conheça mais os nossos planos!

INDIQUE A ORIENTEME PARA SUA EMPRESA!