5 hábitos da gestão à distância que podem prejudicar a saúde mental dos colaboradores

dificuldade-gestao-a-distancia

O trabalho remoto já era uma tendência que vinha ganhando força e que provocou profundas mudanças nas relações profissionais. A ideia de estar de volta ao escritório diariamente já não é mais uma ideia tão desejada por muitos. Uma pesquisa realizada no Linkedin apontou que, mais de 70% das pessoas gostariam que o regime de trabalho adotado após o final da pandemia fosse o híbrido, com mais dias em casa.

Diante desse cenário, diversos gestores tiveram de descobrir como acompanhar o trabalho de seus times à distância e os desafios foram muitos. A principal dificuldade desses líderes foi entender o que fazer para manter a produtividade, sem prejudicar o trabalho e a saúde mental do time, principalmente durante um período tão delicado como o isolamento pessoal. 

O apoio do RH para auxiliar a gestão e o investimento em programas de bem estar para os funcionários e, principalmente, para os gestores, ajudou na questão do controle emocional, entretanto, algumas atitudes que parecem inofensivas podem ter desencadeado quadros de ansiedade e burnout. 

Confira a seguir o que os gestores normalmente fazem e que pode prejudicar a saúde mental dos funcionários:  

Mensagens fora de hora: as ferramentas de mensagens, como o WhatsApp, Slack, entre outras, a princípio, podem parecer facilitar a comunicação. Entretanto, quando não usada com parcimônia, ela pode acabar com a produtividade do colaborador, além de criar gatilhos para que ele tenha crises de ansiedade. Isso ocorre pois as mensagens instantâneas trazem a sensação de urgência, então, qualquer assunto discutido ali, passa a ser prioridade. Além disso, a falta de um controle faz com que as mensagens sejam enviadas a todo o momento, independentemente da hora. É importante que o RH crie ferramentas para que esses aplicativos não sejam utilizados corporativamente, ou, caso seja necessário, que se estabeleçam regras. 

Excesso de reuniões: uma das coisas que os profissionais mais citam quando são questionados sobre a falta de uma rotina presencial no escritório são as conversas de corredor, e a facilidade para se comunicar com os colegas. No trabalho remoto, qualquer dúvida precisa ser resolvida por meio de mensagens ou de videochamadas. Além disso, para fazer com que os colaboradores se sentissem mais próximos, as reuniões tornaram-se cada vez mais constantes, limitando, inclusive, a produtividade. A “zoomfobia” já é uma realidade e já existem casos de burnout por excesso de videochamadas. O contato entre os colegas é importante, mas as reuniões online devem ser agendadas somente em casos de extrema necessidade. 

Excesso de controle: uma das principais barreiras que impedia que as empresas adotassem o home office antes da pandemia era, o medo de que o profissional não fosse render como se estivesse no escritório. E o que se viu foi o contrário. Funcionários trabalhando mais horas por dia, sobrecarregados e estressados. O estresse, nesse caso, se dá tanto pelo excesso de trabalho quanto pelo excesso de controle. Gestores passaram a cobrar mensagens a todo o momento, ou pedir reuniões sem agendamento prévio apenas para checar se o colaborador estava, de fato, trabalhando. A confiança no time é o pilar essencial para que a relação de trabalho se dê de maneira profissional. E o controle excessivo só faz com que o colaborador fique mais ansioso.   

Falta de feedbacks: em momentos como o que o mundo está passando, o diálogo é fundamental para acolher os colaboradores de forma humanizada. O feedback promove a aproximação entre o gestor e o subordinado, principalmente quando ele é feito de maneira que o diálogo dê abertura para que o colaborador mostre as suas vulnerabilidades. Incentivar as conversas e as devolutivas deve ser uma premissa para a empresa.

Falta de rotina: além da rotina para dividir as tarefas de casa e do trabalho, é importante também estipular um ritmo para o dia a dia corporativo. E, se o gestor não consegue organizar o fluxo do time, isso pode gerar insatisfação e alguns gatilhos como ansiedade por não saber o que fazer, estresse, por causa das demandas urgentes e, em casos, mais graves, o burnout. A rotina ainda auxilia no estabelecimento de limites, evitando a jornada excessiva.

A terapia online e o cuidado com a saúde mental

Tanto os gestores quanto os colaboradores podem desenvolver transtornos emocionais por conta do trabalho remoto. E para ajudar o time a lidar com essas questões, a terapia é uma ótima ferramenta de apoio para o RH. A OrienteMe, proporciona, com todo o cuidado e suporte, o atendimento psicológico online como benefício. Com a plataforma, é possível falar com um profissional qualificado e ainda fazer o mapeamento da saúde emocional de toda a equipe. A OrienteMe também oferece outros benefícios, como exercícios de meditação e respiração, fundamentais para trazer mais equilíbrio e calma em uma rotina de pressão e estresse. 

volta-ao-trabalho-saude-mental

Gostou do artigo, compartilhe com a rede!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Você também pode gostar

ORIENTEME NA SUA EMPRESA!

Deseja mapear a saúde emocional da sua empresa, oferecer atendimento psicológico aos colaboradores e acompanhar a evolução da saúde emocional das equipes? Solicite um orçamento no botão abaixo e entraremos em contato o quanto antes.

Deseja solicitar um orçamento para sua empresa?

ORIENTEME PARA VOCÊ!

Deseja falar com seu psicólogo por mensagens e videochamadas, quando e onde quiser?

Conheça mais os nossos planos!

INDIQUE A ORIENTEME PARA SUA EMPRESA!