Ansiedade

O coração palpita. A respiração acelera. O corpo sua. Os pensamentos se tornam uma fonte de agonia. Vou perder o controle? Vou conseguir resolver o problema? Assim se sente alguém com uma crise de ansiedade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, 33% da população mundial sofre de ansiedade. Ela é ainda mais comum entre mulheres na faixa dos 25 aos 30 anos. A ansiedade é uma sensação necessária ao nosso organismo. Fisiologicamente, ela vem de nossos ancestrais e se manifesta quando sentimos medo de coisas reais e precisamos nos preparar para o mecanismo de fuga ou luta frente ao perigo.

Para lidar com essas ameaças, o corpo é estimulado por hormônios que fazem a respiração acelerar (oxigenando mais o sangue), o fígado liberar mais açúcar (dando energia ao organismo) e as suprarrenais soltarem substâncias que fazem o batimento cardíaco aumentar (bombeando mais sangue para partes que precisam de força, por exemplo braços e pernas).

Teoricamente, enfrentado o perigo, o corpo poderia voltar ao seu estado normal. Acontece que, enquanto humanos, muitas vezes pensamos em perigos imaginários, que nos levam a desencadear fisicamente os mesmos sintomas que os perigos reais.

Isso acontece quando, por exemplo, nos sentimos postos à prova, como no caso de testes escolares ou em situações onde alguém pode nos julgar, seja um chefe, um amigo ou qualquer pessoa considerada importante. A preocupação excessiva com o trabalho, a saúde, a família e a falta de dinheiro também podem gerar os mesmos efeitos. O medo contínuo de que algo pode dar errado faz com que o corpo viva em constante estado de alerta.

Esses picos de ansiedade trazem consigo diversos tipos de mal-estar físicos, dentre eles:

–  palpitações fortes

–  tontura

–  falta de ar

–  diarreia

–  cansaço

–  irritabilidade

–  falta de atenção

–  gastrite

–  dor de cabeça

Para cada um, a ansiedade se apresenta de forma diferente. Nem sempre ela é patológica ou exagerada. Suas pequenas manifestações cotidianas podem passar desapercebidas por aquele que a vive. Ter esta consciência é fundamental para poder mudar.

O que fazer?

Há muitas atividades e atitudes que podem ajudar quem se sente ansioso, incluindo:

–  Exercícios de respiração: visto que quando se sente ansiedade a tendência é acelerar a respiração. Assim, respirar profundamente e expirar pausadamente pode ajudar a diminuir a sensação de mal-estar.

–  Exercícios físicos: descarregam a energia acumulada.

–  Analisar seus pensamentos: mudar a forma de pensar pode reduzir a intensidade dessas sensações. Para tanto, é preciso se conhecer melhor e entender o motivo de se sentir ansioso. Consultar um terapeuta pode ajudar neste processo.

Na OrienteMe, é possível fazer terapia online todos os dias, por meio do smartphone ou computador, de forma anônima, sem ter que marcar horário. Se você tiver interesse, conheça a plataforma e experimente o atendimento por três dias úteis antes de comprar um plano.

Gostou do artigo, compartilhe com a rede!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Você também pode gostar

ORIENTEME NA SUA EMPRESA!

Deseja mapear a saúde emocional da sua empresa, oferecer atendimento psicológico aos colaboradores e acompanhar a evolução da saúde emocional das equipes? Solicite um orçamento no botão abaixo e entraremos em contato o quanto antes.

Deseja solicitar um orçamento para sua empresa?

ORIENTEME PARA VOCÊ!

Deseja falar com seu psicólogo por mensagens e videochamadas, quando e onde quiser?

Conheça mais os nossos planos!

INDIQUE A ORIENTEME PARA SUA EMPRESA!