O que causa ansiedade no trabalho? Como o RH pode reduzi-la?

ansiedade no trabalho

A ansiedade no trabalho é uma situação pela qual diversos brasileiros sofrem, uma vez que o Brasil é o país mais ansioso do mundo, segundo dados da OMS. Há cerca de 18,7 milhões de pessoas que possuem distúrbios de ansiedade em nosso país, o que equivale a 9,3% da população total.

O ponto-chave é que essa condição mental, além de prejudicar a qualidade de vida das pessoas, pode promover prejuízos financeiros e organizacionais às empresas.

Diante disso, é de extrema importância que os RHs das organizações se conscientizem sobre o assunto e implementem ações capazes de promover segurança psicológica ao ambiente.

Neste artigo, reunimos tudo que você precisa saber sobre ansiedade no trabalho e apresentamos 5 dicas práticas de como o RH pode agir:

  • treine as lideranças de maneira adequada;
  • construa um RH consciente e compreensivo;
  • promova programas de bem-estar;
  • valorize os colaboradores;
  • ofereça terapia como benefício.

Continue a leitura e confira!

O que é ansiedade?

Antes de qualquer coisa, é importante que entendamos o que realmente é ansiedade. Ela é um sentimento natural que coloca as pessoas em um estado de “alerta” diante situações desconhecidas, de exposição ou tensas.

Sentir uma leve ansiedade antes de uma data especial, de uma entrevista ou algo do tipo é totalmente comum e orgânico. O problema é quando essa sensação toma proporções incontroláveis e se torna recorrente.

A experiência constante de preocupação excessiva, inquietação, falta de concentração, entre outros sintomas são o que caracteriza o transtorno de ansiedade. A partir desse nível de gravidade, o sentimento se torna um distúrbio e passa a atrapalhar a qualidade de vida da pessoa.

Tanto tarefas pessoais quanto profissionais passam a ser muito mais difíceis de executar. Logo, é comum que ansiosos enfrentem dificuldades durante suas rotinas de trabalho, o que traz a necessidade da empresa ter o compromisso de promover um ambiente psicologicamente seguro.

O que causa a ansiedade no trabalho?

Agora que você conheceu a definição correta dessa condição mental, fica mais simples entender o que causa a ansiedade no trabalho.

É comum experimentar o sentimento de preocupação e “frio na barriga” durante alguns momentos do expediente. Como já explicado, essa sensação se manifesta em situações de exposição, o que pode ser recorrente em algumas organizações devido às reuniões, por exemplo.

No entanto, há empresas que colocam seus colaboradores frente a cenários tensos, inesperados, estressantes e desconfortáveis com frequência. Isso é a “receita” para que o sentimento passe a ser um distúrbio mental.

Inúmeros fatores podem ser responsáveis pelo estresse e pela ansiedade no trabalho. Eles variam de acordo com o perfil e o estado da saúde mental de cada pessoa. Em geral, os causadores são os seguintes:

  • sobrecarga de trabalho;
  • pressão por resultados;
  • metas irrealistas;
  • prazos extremamente curtos;
  • comunicação agressiva e inadequada;
  • excesso de horas de trabalho;
  • desvalorização do colaborador.

Em uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), 89% das pessoas afirmaram que a falta de empatia é um problema que merece mais atenção das empresas. Essa questão pode explicar muitos fatores mencionados, uma vez que a falta de empatia pode colocar colaboradores em situações preocupantes.

Quais são os sintomas da ansiedade no trabalho?

Os sintomas de ansiedade no trabalho são as reações psicológicas e físicas convencionais causadas pelo distúrbio. Os mais comuns são os seguintes:

  • dificuldade para se concentrar;
  • preocupação e medo excessivo;
  • pensamentos negativos incontroláveis;
  • insônia;
  • inquietação;
  • dificuldade para respirar;
  • coração acelerado;
  • náusea;
  • boca seca;
  • suor excessivo;
  • fadiga constante.

Para se ter ideia de quantas pessoas experimentam esses sintomas no trabalho, veja alguns dados de um estudo conduzido pela Happiness Business School:

  • 48% dos profissionais brasileiros se sentem ansiosos no trabalho em alguns dias da semana, mas conseguem relaxar no fim de semana;
  • 27% ficam ansiosos em quase todos os dias, incluindo o fim de semana;
  • 22% têm ansiedade em poucos dias, algumas vezes no fim de semana;
  • 3% nunca se sentem ansiosos em relação ao trabalho.

Além disso, esses sintomas podem desencadear outras condições psicológicas como síndrome do impostor ou burnout. Esses distúrbios são “clássicas” consequências de ambientes de trabalho ruins e desequilibrados.

Por que a ansiedade atrapalha no trabalho?

Mais uma vez é importante ressaltar que o sentimento de ansiedade é natural, comum e não atrapalha no trabalho. Sentir um leve nervosismo antes de uma reunião não significa que você irá conduzi-la de uma forma ruim, não é mesmo?

Agora, o transtorno de ansiedade, que apresenta sintomas intensos e persistentes, pode, sim, trazer dificuldades durante o expediente.

Especialmente as reações psicológicas, como preocupação excessiva, dificuldade de concentração e inquietação, podem ser prejudiciais. Elas são capazes de reduzir a produtividade de maneira significativa.

Outros efeitos que sintomas intensos e recorrentes podem causar no trabalho são estes:

  • queda na qualidade das entregas;
  • deterioração das relações com colegas de trabalho;
  • medo de inovar e tomar riscos;
  • redução da confiança nas habilidades próprias;
  • sentimento de que não faz diferença para a equipe.

Como descobrir se os colaboradores estão ansiosos?

Promover ações capazes de melhorar o bem-estar e a qualidade de vida dos colaboradores não depende deles já estarem ansiosos ou sofrendo com outros distúrbios. No entanto, é interessante mapear a saúde mental de todos para desenvolver práticas mais assertivas.

A maneira mais adequada de realizar esse mapeamento é por meio de uma pesquisa de clima organizacional.

Além de compartilhar com todos os colaboradores um questionário sobre diversos aspectos da empresa, é interessante que o RH converse com algumas pessoas de diferentes posições e equipes.

Somente as respostas francas e não enviesadas dos colaboradores mostrarão como está a real situação da companhia em questão de saúde mental e bem-estar.

Você sabe qual o custo da saúde
emocional para sua empresa?

Como o RH pode contribuir para a redução da ansiedade no trabalho?

Como mostrado em outros tópicos, a ansiedade no trabalho é causada principalmente por descuidos em relação ao equilíbrio e bem-estar do outro. Isso é considerado por muitos profissionais um problema de falta de empatia.

O lado positivo é que esses problemas podem ser solucionados com o comprometimento do setor recursos humanos e a colaboração das outras equipes.

A seguir, apresentamos algumas dicas práticas do que o RH pode fazer para construir um ambiente de trabalho saudável. Veja!

1. Treine as lideranças de maneira adequada

As lideranças possuem influência direta na cultura da organização. Elas gerenciam a rotina dos times e podem acabar criando problemas como prazos curtos e metas inatingíveis.

Sendo assim, é importante que todos os líderes passem por um treinamento de gestão de pessoas antes de assumir a posição. Uma capacitação adequada irá ensiná-los a extrair uma boa performance dos colaboradores sem afetar o bem-estar deles.

Aliás, o ideal é que no processo de escolha de uma liderança ocorra uma análise para ver se a pessoa sabe gerir times com empatia, comunicação adequada, escuta ativa e equilíbrio.

Mas tudo pode ser aprendido, por isso recomendamos o treinamento, independentemente da experiência que a pessoa tem em cargos de gestão.

2. Construa um RH consciente e compreensivo

O RH deve ser um canal de diálogo sobre saúde mental e de acolhimento de colaboradores que estão sofrendo com condições mentais. Para isso, a equipe deve incentivar a discussão do assunto na empresa por meio de palestras.

Além disso, é importante estruturar estratégias para que as pessoas enxerguem o RH como essa área de acolhimento. Algumas maneiras práticas de fazer isso podem ser:

  • a checagem recorrente de como os colaboradores estão;
  • a abertura de um canal (telefone, chat, app, etc.) para queixas e pedidos de ajuda em relação a questões mentais.

3. Promova programas de bem-estar

Os programas de bem-estar são iniciativas elaboradas pelo RH que incentivam a valorização da qualidade de vida entres os colaboradores. Isso pode ser posto em prática com o oferecimento de benefícios de academia, yoga e meditação, por exemplo.

Também é interessante que haja campanhas internas periódicas para que os funcionários realmente usem os benefícios. Com o reforço constante das campanhas, é possível incentivá-los a incluir essas práticas em suas rotinas diárias.

Essa é uma iniciativa com margem para benefícios significativos, pois estudos comprovam que a prática regular de exercícios e de mindfulness pode ajudar na prevenção e no tratamento de distúrbios mentais, como ansiedade e depressão.

4. Valorize os colaboradores

Relembrar os colaboradores que eles são importantes para a empresa é uma boa maneira de evitar a ansiedade no trabalho causada pelo sentimento de indiferença na equipe. Isso pode ser feito oferecendo feedbacks e dando “agrados”.

Acima de tudo, é preciso construir uma cultura organizacional baseada em feedbacks e valorização de cada pessoa. Mais uma vez as lideranças são cruciais, visto que elas são as responsáveis por implementar esse modelo de cultura na prática.

De qualquer forma, enviar presentes e mensagens aos colaboradores com alguma frequência é um bom complemento para relembrá-los da sua importância à empresa.

5. Ofereça terapia como benefício

A psicoterapia é, sem dúvidas, uma das formas mais eficientes de prevenir e tratar transtornos de ansiedade e outras condições mentais. Logo, oferecê-la como um dos benefícios é uma ótima maneira de reduzir o estresse e a ansiedade no trabalho.

Muitas pessoas ainda têm preconceitos em relação ao acompanhamento psicológico e várias outras não se consultam por falta de tempo ou acesso. A inclusão como benefício pode ser o estímulo necessário para que esses funcionários cuidem da saúde mental.

Uma maneira mais prática, acessível e moderna de oferecer esse benefício é contratando uma plataforma de terapia online. Além de ser um modelo bastante funcional para empresas, há menos “atrito” para colaboradores, sendo mais simples de estimular pessoas que nunca fizeram terapia a se consultarem.

Quais são os direitos do colaborador com ansiedade?

Os direitos do colaborador dependem do nível de ansiedade enfrentado. Quadros leves, com sintomas menos recorrentes e intensos, costumam ser tratados sem afastamento.

Já quadros de ansiedade em estágio avançado, como TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada), com sintomas frequentes e intensos, podem demandar o afastamento.

O ideal é que o funcionário consulte um especialista, que pode ser um psicólogo ou um psiquiatra, para avaliar a sua condição e instruir qual é a melhor forma de tratamento.

Caso se comprove que a pessoa está incapacitada para trabalhar, ela pode ter direito ao auxílio-doença e solicitar ao INSS um afastamento de 15 a 60 dias.

Para isso, o colaborador precisa ter contribuído com o INSS por pelo menos 12 meses (casos graves, como o TAG, podem isentar essa carência) e obter laudos médicos que comprovem sua condição.

Mas a meta é não deixar que os funcionários da organização cheguem a esse ponto, certo? Além da pessoa ter a sua qualidade de vida prejudicada, a empresa perde produtividade com a ausência dela.

A OrienteMe pode te ajudar a oferecer terapia online como benefício!

A OrienteMe é uma plataforma que conecta colaboradores a uma vida mais saudável por meio de psicoterapia e acompanhamento nutricional online.

Todos os funcionários (e dependentes, caso a organização contrate esse modelo de benefício) podem acessar a plataforma e se consultar com especialistas diretamente de seus celulares ou computadores.

Importante destacar que o profissional designado ao atendimento é aquele mais adequado ao perfil da pessoa. A primeira vez que ela acessa a plataforma, é preciso responder um questionário que permite medir seu nível emocional (estresse, ansiedade e depressão) e dar um “match” com o psicólogo adequado.

Também vale a pena mencionar que prezamos por um ambiente seguro, por isso todos os dados são criptografados e os colaboradores podem se consultar de maneira anônima, com um apelido.

Por fim, destacamos que o RH também é beneficiado. Disponibilizamos um painel onde os profissionais de recursos humanos podem acompanhar diversos dados, como vidas atendidas, sessões de videochamada, mensagens trocadas e evolução dos níveis emocionais.

Assim, o departamento pode ser mais estratégico e elaborar ações mais assertivas para a melhora do bem-estar dos funcionários.

Gostou do que podemos oferecer à sua empresa, mas deseja conhecer melhor nossas soluções? Solicite um orçamento e uma demonstração!

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Mantenha-se informado, e tenha os melhores conteúdos
para seu desenvolvimento diretamente no seu email.

Não se preocupe, prometemos não mandar spam

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

E-BOOK GRATUITO

O guia completo para nortear a sua empresa no retorno ao trabalho presencial.

E-BOOK GRATUITO

Como o Feedback pode transformar as relações na sua empresa.
Nós armazenamos dados temporariamente para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse.