Qualidade de vida no trabalho

Sedentarismo: o que é, sintomas e como saber se você está [GUIA]

Ana Osorio -

O sedentarismo é uma realidade para uma grande parcela da população, principalmente a brasileira.  Somente desde 2020, com os efeitos da pandemia da Covid-19, o nível de inatividade física aumentou 40%, de acordo com a pesquisa Covitel.

Esses efeitos são sentidos diretamente na rotina, principalmente no trabalho, pois contribuem para o surgimento de diversas doenças e condições, colaborando até mesmo para o desenvolvimento da Síndrome de Burnout.

Portanto, é importante desenvolver cada vez mais o diálogo sobre esse assunto, zelando pela saúde e pela qualidade de vida de todos. Neste guia completo, iremos abordar mais sobre o que é sedentarismo e também responder todas as suas dúvidas sobre:

  • Como saber se sou sedentário;
  • Quais as causas do sedentarismo;
  • Quais seus níveis e consequências;
  • Quais as recomendações da OMS para sair da inatividade física;
  • Dados sobre o sedentarismo no Brasil;
  • Como as empresas podem ajudar a desenvolver melhores hábitos, e mais!

Boa leitura!

O que é sedentarismo?

O sedentarismo é caracterizado pela falta da realização de atividades físicas entre pessoas de qualquer faixa etária

Para adultos entre 18 e 60 anos, a OMS considera sedentarismo quando não há a realização de pelo menos 150 minutos semanais (ou 30 minutos, cinco vezes por semana) de atividade física leve a moderada.

Sendo assim, é possível que uma pessoa que pratica algum exercício físico mais leve também seja considerada sedentária, já que não há constância e intensidade nessa atividade. 

Por isso a importância de práticas regulares e efetivas e a adoção de um estilo de vida realmente equilibrado.

Entenda como a orienteme é o benefício de saúde completo para afastar o sedentarismo da sua empresa.

Níveis de sedentarismo

Com rotinas cada vez menos ativas fisicamente, existem diferentes níveis que classificam as pessoas sedentárias na sociedade

Essa consciência é especialmente importante porque, de acordo com a OMS, o sedentarismo é a 4ª maior causa de mortes no mundo. Como é de se imaginar, quanto mais alto o nível, maiores os riscos.

Sendo assim, os níveis de sedentarismo e suas características são:

Nível 1

No primeiro nível, existe um grau de atividade física, mas bem leve. Portanto, aqui, é comum que as pessoas pratiquem caminhadas leves, não totalizando 150 minutos por semana, o que ainda as deixa um tanto vulneráveis às consequências do sedentarismo.

Nível 2

É um dos tipos de sedentarismo mais comuns, quando a pessoa costuma “evitar” a atividade física. Aliás, a maior parte das deslocações é, por norma, feita de carro e, no interior dos prédios, de elevador. As caminhadas a pé são muito pontuais e o carregamento de pesos também é ocasional.

Nível 3

Aqui, a maior parte do tempo é passada em inatividade. As pessoas costumam utilizar o carro para qualquer tipo de atividade e evitar qualquer tipo de esforço, seja este para carregar compras, por exemplo.

Nível 4

Categoriza um grau de inatividade física bem alto e é o mais perigoso. Nesse nível, a maior parte do tempo é passado sentado ou deitado. Como as tarefas quase não exigem esforço, não existe muito gasto metabólico, o que prejudica a saúde em geral.

Leia também: O que é psicologia organizacional? Guia completo sobre o assunto!

Sintomas do sedentarismo

O sedentarismo apresenta diversos sintomas, sentidos tanto no âmbito físico quanto no emocional. Alguns deles são:

  • Cansaço excessivo;
  • Desmotivação;
  • Acúmulo de gordura abdominal;
  • Dores nas articulações;
  • Sono desregulado;
  • Apneia do sono ou roncos;
  • Aumento excessivo de peso;
  • Diabetes;
  • Hipertensão;
  • Altos níveis de colesterol;
  • Baixa concentração e produtividade;
  • Diabetes tipo I e II;
  • Problemas cardiovasculares;
  • Falta de força muscular.

Quais as causas do sedentarismo?

Sintomas do sedentarismo

O estilo de vida, a falta de acesso e a falta de informações sobre a importância de uma vida saudável são algumas das principais causas do sedentarismo, especialmente no Brasil.

Isso porque, a falta de conscientização sobre a necessidade de hábitos saudáveis ainda é muito popular na nossa sociedade. Por uma questão cultural, social e econômica, alguns outros fatores acabam tornando-se prioridade na vida das pessoas, que deixam a saúde em segundo lugar.

A falta de tempo, recursos e informações faz com que algumas pessoas não se atentem a melhorar seu estilo de vida.

Por esses e outros motivos, alguns hábitos que contribuem para o surgimento ou agravamento do sedentarismo surgem, como:

  • Utilizar escadas rolantes;
  • Falta de consumo de alimentos naturais e fontes equilibradas de nutrientes;
  • Preferir refeições prontas e processadas;
  • Utilizar o carro para percorrer pequenas distâncias;
  • Rotinas tomadas de afazeres e pouco cuidado pessoal;
  • Passar longos períodos sentado.

Aliás, é comum que boa parte das pessoas tenha um posicionamento mais reativo em relação à saúde, em que só começam a valorizá-la quando surge alguma doença ou condição.

Porém, a prevenção é a melhor forma de garantir a saúde de todos e evitar algumas consequências sérias do sedentarismo, como você conferirá a seguir.

Consequências do sedentarismo

Algumas consequências do sedentarismo também podem estar relacionadas diretamente aos seus sintomas. Porém, ao chegar nesse nível, esses sinais já se transformaram em condições e doenças que representam sérios riscos à saúde das pessoas.

Sendo assim, esses efeitos podem aparecer a curto, médio e longo prazo, mas até mesmo comprometer a qualidade de vida para sempre. Por isso a importância da prevenção e da adoção de hábitos saudáveis.

Algumas consequências de um estilo de vida sedentário são:

Diabetes tipo 2

Essa condição está diretamente relacionada ao estilo de vida da pessoa, tanto que é desenvolvida com o tempo. O problema é tão grave que estima-se que o Brasil tenha um total de 16,8 milhões de pessoas com diabetes, sendo o 5° país no mundo com maior incidência da doença.

Aumento da ansiedade e depressão

A falta de atividade física também prejudica a saúde emocional. Quando se é sedentário, existe uma sensação maior de cansaço e desânimo, o que causa diversos danos à saúde psicológica.

Osteoporose

A osteoporose é uma condição que causa o enfraquecimento dos ossos, significando diversos riscos de lesões. Com o sedentarismo, é comum que essa doença apareça, pela falta de fortalecimento e principalmente em situações de sobrepeso.

Acúmulo de gordura arterial

O sedentarismo prejudica o metabolismo do indivíduo, que passa a ser mais lento e, consequentemente, mais propício a acumular gordura em diversos locais do corpo, principalmente nas artérias, o que afeta a saúde cardiovascular.

Obesidade

Sem a atividade física e somada a outros hábitos nocivos, as pessoas ficam mais suscetíveis a desenvolver a obesidade, que é um grande risco à saúde e ao bem-estar em geral.

Sedentarismo tem CID?

CID é a sigla para Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde. Geralmente, é utilizado por médicos e por outros profissionais da área como uma forma de obter mais assertividade em diagnósticos, atestados, entre outros.

Assim, por ser uma condição médica que afeta a qualidade de vida, o sedentarismo se enquadra como uma doença e tem CID. O CID do sedentarismo é o Z72, que classifica “problemas relacionados com o estilo de vida”.

Sendo assim, essa categoria enquadra a falta de atividade física.

Como sair do sedentarismo?

É importante entender que sair do sedentarismo requer a escolha por hábitos saudáveis de vida em diversos pontos e, para que a mudança seja duradoura, ela deve ser gradual. 

Assim, para incluir a atividade física e outros hábitos na sua rotina, comece pensando pequeno e vá evoluindo. Algumas metas iniciais podem ser:

  • Trocar o doce após o almoço por frutas 3x na semana;
  • Caminhar 2x na semana;
  • Beber pelo menos 3 litros de água por dia;
  • Ingerir menos açúcar e alimentos processados.

Por isso, programas de saúde específicos podem ajudar nesse sentido, principalmente aqueles que contam com equipes multidisciplinares. 

Em seu Ted sobre o assunto, o fisioterapeuta Renan Resende comenta como a atividade física é necessária para garantir uma vida longa, independente e livre de doenças.

Quanto tempo é necessário para sair do sedentarismo?

Em cerca de três meses, os principais benefícios da atividade física constante já podem ser sentidos por quem começou a praticá-la. Porém, é indicado que esse processo seja gradual e acompanhado por especialistas.

Também é importante ressaltar que evitar o sedentarismo também depende da adoção de outros hábitos saudáveis, como cuidado com a alimentação e a saúde mental.

Para a promoção de uma conscientização cada vez maior, vale lembrar que em 10 de março é Dia Mundial de Combate ao Sedentarismo, uma data que pode ajudar empresas e pessoas a iniciarem e lembrarem da importância de manterem-se ativos.

Recomendações da OMS para sair do sedentarismo

Para a OMS, o caminho para combater o sedentarismo é fornecer oportunidades de qualidade de vida, saúde e bem-estar para as pessoas em todos os ambientes. Isso significa que, além do engajamento de projetos sociais, é preciso que a iniciativa privada também se movimente nesse sentido.

As empresas, principalmente, têm adotado maiores ações nesse sentido, exatamente por sua importância e impacto no dia a dia das pessoas.

Ainda, para sair efetivamente do sedentarismo, o órgão recomenda que adultos devem realizar:

  • Pelo menos 150 a 300 minutos de atividade física aeróbica de moderada intensidade
  • Ou pelo menos 75 a 150 minutos de atividade física aeróbica de vigorosa intensidade.

Também é importante lembrar da necessidade de combinar treinos de forças com outras atividades aeróbicas e uma alimentação saudável e equilibrada, garantindo a preservação da força muscular.

Dados sobre o sedentarismo no Brasil

Os dados sobre o sedentarismo no Brasil só alarmam mais a necessidade de mudança na rotina das pessoas. Isso porque:

  • A região mais sedentária do país é o Sudeste, segundo uma pesquisa divulgada na revista Revista Cuidarte;
  • De acordo com o IBGE, a prática de atividade física é maior entre aqueles com maior nível de escolaridade;
  • Estima-se que 30 minutos de atividade física diariamente pode reduzir em 50% o risco de doenças cardíacas; 
  • A OMS também constatou que, até 2030, cerca de 500 milhões de pessoas devem desenvolver doenças cardíacas, obesidade, diabetes ou outras doenças não transmissíveis devido à inatividade física.

Lembrando que a prática de esportes e atividades físicas é um fator considerado como essencial para a construção do bem-estar, sendo que seu acesso também é garantido por lei.

Portanto, esses dados só evidenciam a necessidade de intervenção e mudança nas práticas diárias dos brasileiros, com o objetivo de fortalecer as pessoas e colaborar com a qualidade de vida geral.

Como as empresas podem ajudar seus colaboradores a serem mais ativos?

1 – Programas de qualidade de vida

O programa de qualidade de vida no trabalho (QVT) é um conjunto de ações voltadas à promoção de hábitos saudáveis entre os colaboradores.

Assim, é uma ótima ação para incentivar mudanças construtivas, pois promove a saúde integral, garantindo que a sua equipe esteja blindada em todas as frentes relacionadas a uma vida realmente equilibrada.

Para montar um programa de qualidade de vida, é importante atentar-se aos pilares que cercam esse conceito: a saúde psicológica, nutricional e física. Sendo assim, alguns ações que podem compor o seu programa de qualidade de vida são:

  • Incentivo à atividade física, com torneios, gincanas e até mesmo dinâmicas de grupo internas;
  • Benefícios e apoio a uma alimentação saudável;
  • Ações de saúde mental, como conscientização sobre a segurança psicológica e acesso à psicoterapia;
  • Segurança psicológica;
  • Boas condições de trabalho e flexibilidade;
  • Incentivo ao lazer e à cultura.

Se quiser contar com a ajuda de uma plataforma especializada em qualidade de vida no trabalho e bem-estar, conte com a orienteme.

Somos uma plataforma de gestão de saúde corporativa que, através do atendimento psicológico, nutricional e de orientação física, promove um programa completo de saúde para as empresas e seus colaboradores.

Pautamos as ações propostas nos principais indicadores de RH para uma tomada de ações assertiva, mapeando como está a situação da sua empresa.

Conheça mais sobre como a orienteme pode ajudar a sua organização a criar um programa de qualidade de vida, prevenir e tratar o sedentarismo, e muito mais.

o que é gestão de pessoas

Entenda como a orienteme pode garantir saúde completa e um time de alta performance para a sua empresa

2 – Benefícios de saúde

Os benefícios de saúde são uma ótima opção para apoiar uma vida realmente equilibrada na empresa.

Isso porque, eles ajudam a equipe a ter uma visão mais proativa em relação à saúde, trazendo hábitos melhores no dia a dia de maneira efetiva e duradoura. Acesso à nutrição, academias, esportes e psicologia costumam ser os mais populares.

Além disso, esses incentivos também ajudam a empresa a reduzir os custos com a sinistralidade.

3 – Jornadas flexíveis e focadas na produtividade

Para setores em que isso é possível, a promoção de jornadas flexíveis e voltadas aos resultados e produtividade dos colaboradores pode ser uma opção interessante.

Isso porque, a jornada de trabalho também afeta a possibilidade e priorização do colaborador em relação à atividade física.

E essa é uma prática que vem se tornado cada vez mais popular entre as organizações, exatamente por ter se mostrado efetiva. De acordo com um estudo feito pelo International Workplace Group (IWG), 85% dos entrevistados se dizem mais produtivos em uma rotina flexível.

Conte com a orienteme para cuidar da saúde da sua equipe de forma completa!

A saúde e o bom desempenho no trabalho são compostos por diversos fatores, mas principalmente pelo equilíbrio emocional, nutricional e físico. Por isso, uma das principais ações que a sua empresa pode fazer para potencializar o time é oferecer possibilidades de evolução nesse sentido. 

Afinal, uma equipe desequilibrada não consegue dar o seu melhor, o que afeta diretamente os resultados de toda a empresa e os principais indicadores de RH.

A orienteme é a opção ideal para te ajudar nesta tarefa. Somos uma plataforma de gestão de saúde corporativa, que conecta colaboradores a uma vida mais saudável por meio de psicoterapia, orientação nutricional e orientação física, porque a saúde é composta por um olhar holístico.

Com a orienteme, a sua empresa não precisa escolher apenas um aspecto da saúde para potencializar, mas pode cuidar da sua equipe por completo.

Ao contratar a plataforma para sua empresa, os trabalhadores ganham acesso a profissionais de psicologia, nutrição e orientação física com certificação e experiência, além de um mapeamento completo feito dos indicadores estratégicos feito pela orienteme, que identificam como está a situação atual da sua empresa. 

A equipe de RH tem o Portal Corporativo, um painel que permite acompanhar a evolução de diversos indicadores que ajudam a diminuir os níveis de absenteísmo, sinistralidade e aumentar a produtividade, e muito mais!

A partir disso, você conta com a orienteme para conectar seus colaboradores com os melhores profissionais em cada caso a ser tratado, além de uma equipe pronta para te ajudar a entender os indicadores de saúde da sua empresa e promover ações assertivas.

Interessou-se pela nossa plataforma, mas quer conhecê-la melhor? Entre em contato com um de nossos consultores e entenda como podemos ajudar sua empresa e sua equipe!

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Universal: qual a importância?

O que é PGR e como aplicar na empresa?

22% das 50 empresas brasileiras mais bem avaliadas em práticas de saúde mental e bem-estar são clientes da orienteme

E-BOOK GRATUITO

e-Book Segurança Psicológica: o guia completo para criar equipes inovadoras​