Qualidade de vida no trabalho

Comunicação empática: o que é, sua importância e como desenvolver 

Daniela Haidar Chohfi -

A maneira como uma empresa e sua equipe se comunicam diz muito sobre ela. Esse comportamento organizacional afeta a percepção de clientes, do mercado e até mesmo a dos próprios colaboradores. Por isso, a comunicação empática se faz cada vez mais necessária e presente nas empresas.

Porém, ter uma boa comunicação não é uma tarefa fácil. Uma pesquisa realizada pela revista britânica The Economist reforça isso. 

De acordo com o estudo, 44% dos entrevistados relatam que a falta de comunicação provou atrasos ou falhas na conclusão de projetos. Ainda, 18% afirmam que a má comunicação causou uma redução nas vendas. 

Além disso, uma comunicação ruim afeta diretamente a saúde emocional das pessoas: 52% relataram sentir maior estresse no trabalho, e 31% relataram desânimo por conta desses problemas.

Mas então, o que é a comunicação empática, como ela ajuda as pessoas e as empresas a evitar problemas como esses, e como desenvolvê-la? É exatamente isso e muito mais que explicaremos neste artigo.

Confira!

O que é empatia?

A empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro, compreendendo seu ponto de vista e emoções. 

Dessa forma, você passa a avaliar as situações pela ótica do outro, analisando como uma percepção diferente da sua funciona, e como as emoções do outro podem ser afetadas de forma diferente da sua.

Entretanto, apesar da impressão que passa, empatia e simpatia não são sinônimos. 

A empatia é uma escolha objetiva e ao mesmo tempo vulnerável de entender a ótica e as razões do outro, enquanto a simpatia geralmente está associada a compartilhar os mesmos sentimentos e percepções com o outro.

E é exatamente aqui que está o “x” da questão. Com a empatia e uma comunicação empática, é possível divergir e até mesmo não compreender totalmente o outro, mas colocar-se no lugar dele e reduzir conflitos, fortalecer laços e principalmente prezar pela saúde emocional de todos.

Leia também: Síndrome de Burnout: o que é, causas, sintomas e muito mais

Descubra como evitar as consequências jurídicas do Burnout

O que é comunicação empática?

Portanto, a comunicação empática nada mais é do que utilizar a empatia nos diálogos e comunicações diários. Para isso, o interlocutor (quem fala), tem o hábito de se colocar no lugar do outro nos momentos de comunicação, prezando por um ambiente de trabalho saudável.

Por que é importante praticar a comunicação empática?

A comunicação empática ajuda a promover o bem-estar no trabalho e a reforçar sentimentos positivos em si mesmo. Especialmente para cargos de liderança, essa habilidade é essencial, já que o líder lida com diferentes pessoas, conflitos e mudanças no dia a dia.

Inclusive, de acordo com uma pesquisa feita pela empresa Crescimentum, a empatia é a segunda habilidade mais importante para líderes do futuro.

Ainda, como falamos anteriormente, a comunicação usada pelos membros da empresa define como a equipe se sentirá na rotina e também define seus níveis de engajamento e motivação. Além disso, o uso da comunicação empática no dia a dia é importante porque:

  • Aumenta a clareza nos diálogos;
  • Reduz a ineficiência na comunicação e a necessidade de refazer tarefas;
  • Impulsiona a confiança do time e a colaboração entre equipes;
  • Ajuda a reduzir e solucionar conflitos;
  • Desenvolve habilidades sociais e diminui julgamentos;
  • Colabora com o senso de segurança psicológica da empresa, e mais.

Para se aprofundar no assunto, em seu Ted, Carolina Nalon explica como a comunicação empática pode ser o motor da mudança em uma sociedade desigual, confira.

Comunicação empática e inteligência emocional – Daniel Goleman

Antes de nos aprofundarmos nas dicas para como desenvolver a comunicação empática no dia a dia, é importante ressaltar a conexão dessa habilidade com a inteligência emocional

Para Daniel Goleman, autor do best-seller “Inteligência Emocional”, a empatia está diretamente conectada à inteligência, sendo que existem três dimensões dessa habilidade:

  • Empatia cognitiva: entender como o outro vê o mundo e adaptar sua comunicação a essa percepção;
  • Empatia emocional: compartilhar os mesmos sentimentos e percepções que outra pessoa e, por isso, compreendê-la;
  • Preocupação empática: real preocupação com o outro e entendimento de que suas emoções também importam. Para Goleman, essa habilidade é essencial para que os colaboradores se sintam acolhidos em uma empresa.

Mas então, qual a ligação da inteligência emocional? A inteligência emocional é a capacidade de entender e lidar com suas próprias emoções no dia a dia. Portanto, ao encontrar esse equilíbrio, é mais fácil ter uma comunicação empática, que não irá afetar a saúde emocional dos demais de maneira negativa.

Porém, o desenvolvimento dessa habilidade requer acompanhamento psicoterapêutico e uma rotina equilibrada, a fim de fornecer uma boa base de saúde mental para o time.

Exemplos de comunicação empática

Muitas vezes, a comunicação empática agrega mudanças sutis ao tipos de diálogo utilizados no dia a dia, mas que fazem toda a diferença. 

Isso porque, ao praticá-la, é possível criar um ambiente mais harmonioso em que existe a verdadeira preocupação sobre como as pessoas receberão o que foi comunicado.

Portanto, alguns exemplos de comunicação empática são:

  • “[Nome da pessoa], entendo que você tem se esforçado bastante para realizar o atendimento dos clientes da melhor maneira possível e gostaria de te parabenizar por isso, é muito importante que nossos clientes tenham uma boa experiência conosco e sei que você preza por essa frente. Também reparei que existem alguns registros atrasados no nosso sistema, você acredita que isso possa ter a ver com a sua administração do tempo? Como posso ajudar?”;
  • “[Nome da pessoa], nas últimas semanas você tem chegado atrasado ao trabalho e parece um tanto distante. Está tudo bem? Podemos falar sobre isso para eu entender como eu e a empresa podemos te ajudar?”;
  • [Equipe], a nossa última operação teve um erro que causou [certa consequência]. Entendo que isso acontece, mas, para que não se repita, podemos discutir o que houve e como podemos ser mais eficientes no futuro?”

Percebe como, nos exemplos, é possível explicar a situação sem usar uma comunicação agressiva?

Principalmente para situações delicadas, a comunicação empática pode ser de grande ajuda. Em feedbacks, ela é essencial, pois garante que os conflitos sejam resolvidos ou reduzidos ao mesmo tempo que garante que ninguém sinta-se humilhado ou constrangido, prezando o respeito e a qualidade de vida no trabalho.

Como praticar a comunicação empática? 5 dicas

Quanto mais incentivada dentro da empresa, mais eficiente a comunicação empática é. Por isso, é ideal que os profissionais de psicologia organizacional apliquem ações eficientes nesse sentido, como:

1 – Trabalhe essa mentalidade na empresa

Para que a comunicação empática seja realmente eficiente na empresa, ela deve ser um valor propagado entre todos os membros.

Portanto, é preciso que sejam feitas ações periódicas, como palestras, dinâmicas e principalmente treinamentos entre o time. Isso porque, como essa é uma habilidade interpessoal a ser desenvolvida, requer também incentivo da empresa.

Assim, principalmente líderes e profissionais de RH devem avaliar a comunicação do ambiente de trabalho para determinar como é possível corrigir determinadas condutas e prezar por uma comunicação empática. 

2 – Incentive a cultura de feedbacks

Com uma abertura para feedbacks negativos, positivos e construtivos é mais fácil guiar equipes ao sucesso. Porém, para que sejam assertivos, é preciso saber transmiti-los, e a comunicação empática é muito útil nesse momento.

Portanto, incentive os feedbacks como algo constante na empresa, pois eles são o principal caminho para diálogos mais claros e objetivos na empresa, tornando essa troca mais natural no dia a dia.

3 – Apoie o desenvolvimento de outras habilidades importantes

Como você viu, o desenvolvimento da comunicação empática também acompanha o aprimoramento de outras habilidades interpessoais relacionadas ao lado emocional, como:

  • Inteligência emocional;
  • Resiliência;
  • Senso coletivo;
  • Escuta ativa;
  • Capacidade de resolução de conflitos.

Assim como ressaltamos anteriormente com a obra de Daniel Goleman, a empatia é melhor desenvolvida quando associada a outras habilidades. Dessa forma, é possível formar colaboradores e líderes cada vez mais emocionalmente preparados, o que representa vantagens internas e externas para a empresa.

4 – Ofereça possibilidades de desenvolvimento constante

Como uma habilidade comportamental, a empatia é algo que deve ser desenvolvida constantemente, e a empresa pode ajudar a potencializar seus colaboradores nesse sentido.

Assim, cabe à organização avaliar quais benefícios e possibilidades mais fazem sentido para a equipe, contando com especialistas no assunto. Ainda, é preciso ressaltar que essa análise deve ser estratégica e focar tanto no desenvolvimento individual como no coletivo.

Nesse sentido, uma opção popular entre os negócios são aquelas voltadas à qualidade de vida e ao desenvolvimento do tempo ao mesmo tempo.

A orienteme pode te ajudar nessa tarefa. Somos uma plataforma de gestão corporativa que foca no desenvolvimento individual de colaboradores para formar equipes de alta performance. Fazemos isso ao oferecer apoio para um RH mais estratégico com o apoio dos pilares psicológico, nutricional e de orientação física.

Acesse a nossa página para empresas e entenda mais.

5 – Promova a diversidade na empresa

Uma empresa verdadeiramente empática está aberta a todos os tipos de pessoas e, para isso, são necessárias ações de diversidade e inclusão.

Isso porque, ao se abrir a conceitos como neurodiversidade, diversidade etária, cultural, entre outros, é possível contar com diferentes tipos de colaboradores e, portanto, ideias, vivências e outros pontos que ajudam a fortalecer times e empresas com valores sociais importantes.

Além disso, é possível reforçar a comunicação empática com esse tipo de ação ao proporcionar um maior contato dos colaboradores com a sociedade como ela é: diversa, contribuindo também para um maior acesso de pessoas que normalmente não teriam essas oportunidades. 

Conte com a orienteme para desenvolver a sua equipe de maneira completa!

O desenvolvimento e o crescimento de equipes é composto de diversos fatores, mas principalmente pelo equilíbrio emocional, nutricional e físico. Por isso, uma das principais ações que a sua empresa pode fazer para potencializar o time é oferecer possibilidades de evolução nesse sentido. 

Afinal, uma equipe desequilibrada não consegue dar o seu melhor, o que afeta diretamente os resultados de toda a empresa e os principais indicadores de RH.

A orienteme é a opção ideal para te ajudar nesta tarefa. Somos uma plataforma que conecta colaboradores a uma vida mais saudável por meio de psicoterapia, orientação nutricional e orientação física, porque a saúde é composta por um olhar holístico.

Ao contratar a plataforma para sua empresa, os trabalhadores ganham acesso a profissionais de psicologia, nutrição e orientação física com certificação e experiência. 

Além disso, a equipe de RH tem o Portal Corporativo, um painel que permite acompanhar a evolução de diversos indicadores que ajudam a diminuir os níveis de absenteísmo, sinistralidade e aumentar a produtividade, entre outros!

Interessou-se pela nossa plataforma, mas quer conhecê-la melhor? Entre em contato com um de nossos consultores e entenda como podemos ajudar sua empresa e sua equipe!

Mais sobre Saúde Ocupacional

Importância de treinamentos sobre gerenciamento de estresse para equipes

Atuação estratégica do RH pode evitar transtornos mentais relacionados ao trabalho

Doenças mentais incapacitantes para o trabalho

E-BOOK GRATUITO

e-Book Segurança Psicológica: o guia completo para criar equipes inovadoras​